Anúncios

De onde vem o perigo?

Via José Faro

Fico impressionado com a agilidade discursiva dos diversos segmentos do empresariado brasileiro e de seus representantes institucionalizados e legitimados da esfera pública, a mídia, a universidade,  os aparelhos dos poderes Legislativo e Judiciário etc. Um bom exemplo disso é o que acaba de ocorrer nesta primeira quinzena de agosto: nem bem o governo baixou as primeiras medidas que visam blindar a economia brasileira contra os efeitos do pessimismo global – e concretamente contra as consequências de um eventual default nos Estados Unidos ou em algum país europeu – e rapidamente os defensores da necessidade de uma reforma trabalhista que possa mitigar o chamado “custo Brasil” ocuparam a cena.Os argumentos dessa turma sensibilizam o senso comum e ela própria se anima com isso: de fato, a desoneração da folha de pagamentos promovida pelo governo federal com o pacote da 4a feira, ao lado de diversos mecanismos de isenções e renúncias fiscais que aliviem o custo da produção industrial só pode mesmo funcionar como estímulo generalizado à iniciativa empresarial – afinal de contas, é dessa redução patrocinada pelo Estado (de onde um certo paradoxo doutrinário entre aqueles que advogam o contrário) que advém mais um aumento nas margens de lucro da empresas, o que não significa necessariamente aumento nos investimentos. Mas é o outro lado dessa lógica elementar que é perverso: o da redução dos direitos sociais dos trabalhadores. Como o apelo inclui a perspectiva de manutenção dos níveis de emprego, nem mesmo sindicatos e centrais sindicais escapam do poder sedutor desse discurso.

Penso que esse pessoal não sabe muito bem onde mora o perigo. Uma reconstrução econômica ou uma conjuntura de excepcionalidade diante da ameaça de uma depressão internacional que tenha como suporte o desmantelamento dos direitos sociais – sob o argumento da segurança jurídica das empresas e da manutenção de sua capacidade de investimento – pode resultar num retrocesso histórico cuja principal consequência seria a perda da soberania desse mesmo Estado que agora provê o interesse privado. A lógica da liquidação do ônus social como caminho para a superação da crise aponta para a inexistência de um projeto de desenvolvimento a longo prazo e privilegia os interesses imediatos do empresariado.

Anúncios

Tags:, , ,

Categorias: Uncategorized

Pandora nas redes sociais

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

um comentário em “De onde vem o perigo?”

  1. Marc Domos
    14 de agosto de 2011 às 18:27 #

    Mais uma vez o Estado brasileiro sustenta a indústria burguesa… Tudo para não perdermos “investimentos”. Até parece que o mercado interno não seria capaz de suprir a demanda de produtos da indústria.
    Infelizmente pouca gente compreende essa prática histórica que consome odinheiro do Estado brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: