Anúncios

Tv sem sentido

O intelecto das sensações

Livro conta como é o nosso corpo, não a mente, que responde à TV

Por Érica Perazza

A geração “televisão” assiste sua programação ao invés de viver a vida. Foi Andy Warhol que disse uma vez que “às vezes as pessoas dizem que o modo pelo qual as coisas acontecem nos filmes é irreal, mas, na verdade é o modo pelo qual as coisas acontecem com você na vida que é irreal. Os filmes fazem parecer as emoções tão fortes e reais, ao passo que quando as coisas acontecem realmente com você, é como assistir televisão – você não sente nada”.

Será que não sentimos nada enquanto vemos a caixa preta? Caro Warhol, sim, nosso corpo sente a TV. Como conta as pesquisas no livro “A Pele da Cultura” de Derrick de Kerckhove, o corpo ouve, vê e reage instantaneamente ao seu conteúdo, qualquer que seja. O autor participou de um estudo de Steven e Rob Kline, em Vancouver , no qual os dois irmãos inventaram um sofisticado sistema de análise das reações fisiológicas ao que é mostrado às pessoas, especialmente televisão. Eles puderem perceber as mudanças na condutividade da pele, ritmo cardíaco e circulação de Kerckhove. Havia portanto, um impacto no sistema nervoso através da sucessão rápida de sequência de imagens.  Ficamos absortos, atraídos, hipnotizados, completamente envolvidos na trama televisiva. “Como se alguém tivesse nos tocado”, ressalta Kerckhove. Em compensação, não conseguimos aprofundar e refletir sobre o que nos é transmitido. Como o autor aponta no livro, a teórica alemã, Hertha Sturm, observa que tudo o que nos é apresentado pela televisão bloqueia nossa verbalização, uma vez que não há tempo suficiente para interpretação. Os pulos das notícias faz com que o telespectador se adapte a essa velocidade das cenas, e portanto, ele “desiste” de fazer classificações mentais, conduzindo a uma redução de compreensão.

É dessa forma que nos revoltamos contra o fato de que existe pedófilos a solta, corrupção em todos os setores da sociedade, aumento de impostos e diminuição de salários apenas momentaneamente. Logo, no segundo seguinte, ficamos mais calmos e satisfeitos com a notícia de que Paul McCartney virá ao Brasil ou de que tomar café faz bem a saúde, afinal. De certa forma, a mídia nos avisa sobre o caos e o absurdo persistente no nosso planeta, mas ao mesmo tempo nos impede de levantar do sofá, desligar a TV e correr pelas ruas, protestando e lutando por direitos e melhorias. E é assim que o crítico social Michael Ignatieff condena: “A TV está nos transformando numa cultura viva mas superficial”.

Para se aprofundar no tema

A PELE DA CULTURA
Derrick de Kerckhove
AnnaBlume

Anúncios

Tags:, , , , ,

Categorias: Literatura

Pandora nas redes sociais

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: