Anúncios

Cinema e Literatura

A Sangue Frio

A brincadeira  real e impossível de não ler de Truman Capote 

por Érica Perazza

Até certa manhã de novembro de 1959, poucos americanos – e bem poucos habitantes do Kansas, na verdade – jamais tinham ouvido falar de Holcomb.

É assim que um dos mais consagrados escritores americanos, Truman Capote, inicia seu relato que logo depois virou longa-metragem.  A Sangue Frio foi filmado com a ajuda da polícia de Kansas, em preto e branco, o que o deixa a história mais atraente e instigante. Capote chegou a Holcomb um mês após o crime que tirou a vida de Herb Clutter, um promissor e respeitado fazendeiro, sua esposa, Bonnie (que sofria de problemas psicológicos) e seus dois filhos adolescentes, Nancy e Kenyon.

Em seu último dia de vida, todos os Clutter agiram de forma banal. Herb fez seu seguro de vida ( uma coincidência um tanto mórbida), Nancy preparou uma torta de cerejas, Kenyon construiu uma arca para dar de presente de casamento para sua irmã Beverly e Bonnie ficara na cama de camisola, como sempre fazia. Enquanto isso, duas pessoas planejavam matá-las. Dick, um dos assassinos, deu ênfase à ideia de não deixar testemunhas. “Matar por matar sem motivo. O melhor motivo de todos.” Junto a seu parceiro, Perry, suava frio, com o sangue pulsando quente. Os dois estavam prontos para uma “brincadeira real e impossível de deter”.

O plano era roubar 10 mil dólares do cofre do fazendeiro. Mas como ele não guardava dinheiro em casa, foram levados um rádio, um binóculo e 43 dólares.  A família foi amarrada e amordaçada (Herb também teve a garganta cortada); depois, foram mortos a tiros de espingarda.

A polícia passou a procurar incansavelmente os criminosos, porém a investigação começa cheia de dúvidas, pois não foram deixadas pistas, testemunhas nem impressões digitais. Os policiais se perguntam “O que há de básico num crime estúpido e sem sentido? Como os assassinanos entraram? Por que as vitímas não reagiram? Como um homem perfeitamente são cometeria um ato completamente insano?”.

Todos temiam ir ao banheiro sozinhos, de cruzarem um olhar com um estranho. “Se isto aconteceu com uma família comum e decente, quem está seguro hoje em dia?”, os cidadãos se perguntavam.

A confissão do preso, Floyd Wells, que seu companheiro de cela, Dick Hickok planejava matar os Clutter, faz os assassinos acabarem presos. Supondo apenas que era devido ao carro roubado e cheques frios, a dupla separada, se confude e se auto denuncia com a perícia dos investigadores. Condenados à morte, em 14 de abril de 1965 eles são enforcados. Esse caso era apenas mais um de outros que aconteceriam inevitavelmente semana que vem, mês que vem, ano que vem. “Os jornais vão vender mais. A polícia vai receber mais críticas, os políticos farão mais dicursos, mais leis serão aprovadas. Ninguém assumirá a culpa. Ninguém.”

O polêmico Truman Capote foi acusado na época de se beneficiar literária e financeiramente da morte dos criminosos. Ao longo dos desdobramentos, diziam que ele teve tempo, dinheiro e meios mais do que suficientes para provar a insanidade de Dick e Perry. O autor entrevistou familiares das vítimas e dos assassinos, recolheu documentos oficiais, leu cartas e diários. Com as informações coletadas, escreveu um “romance não-ficcional”, considerado a primeira obra do New Journalism. A descrição do livro é minuciosa. Capote conta desde os motivos que levaram os assassinos a cometer tal crime, pequenos desvios a lei acontecidos no México e Estados Unidos até o trágico final de suas vidas, isto é, a execução no chamado “Canto”. Além do mais, ele foi capaz de explorar a personalidade dos acusados como Perry, um cara estranho, sonhador, perdido, que “entra em transe toda vez que olha no espelho”. Características como estas constroem um “matador de natureza, desprovido de consciência, capaz de desferir com ou sem motivo, golpes mortais totalmente a sangue frio”.

Anúncios

Tags:,

Categorias: Cinema, Literatura

Pandora nas redes sociais

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

2 Comentários em “Cinema e Literatura”

  1. 22 de julho de 2010 às 21:44 #

    Realmente impossível não se ler Truman Capote…!

  2. 2 de setembro de 2010 às 0:57 #

    Estive por aqui aprendendo um pouco no seu espaço!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: