Anúncios

Cuba e os direitos humanos

por Jorge Adelar Finatto

As ditaduras são feitas de cadáveres e prisões. Não existe a figura do bom ditador. Ditaduras, sejam elas de direita ou de esquerda, são igualmente infernais.

Após a morte do pedreiro e dissidente político Orlando Zapata Tamayo, 42 anos, em 23 de fevereiro de 2010, em consequência de 85 dias de greve de fome, o psicólogo e jornalista cubano Guillermo Fariñas, 48 anos, também está em greve de fome, desde 24 de fevereiro. As informações mais recentes dão conta de que é muito preocupante seu estado de saúde.

Fariñas afirma que está pronto a sacrificar-se, se o governo de Cuba não libertar 26 presos políticos que estão com a saúde debilitada em prisões da ilha.

Os irmãos Fidel Castro Ruz, ex-presidente, e Raúl Castro Ruz, atual líder político de Cuba, não se mostram dispostos a permitir a democratização e nem a rever a forma de tratar os opositores do regime de partido único (Partido Comunista de Cuba).

A Revolução Cubana, vitoriosa em 1959, liderada por gente como Fidel Castro e Ernesto “Che” Guevara, combateu a ditadura do general Fulgencio Batista, que, entre outras violências, tratava com brutalidade os inimigos políticos.

Os atuais dirigentes cubanos repetem a intolerância contra os adversários. Dados do Departamento de Estado dos Estados Unidos informam a existência de 194 presos políticos em Cuba.

Informações divulgadas na imprensa mostram que a revolução trouxe avanços sociais a Cuba, principalmente em áreas como educação e saúde. É um país pequeno, que tem hoje cerca de 12 milhões de habitantes.

O embargo econômico imposto pelos Estados Unidos, na minha opinião, só tem colaborado para a falta de avanços políticos em Cuba. A posição americana é um obstáculo ao fim da ditadura e fortalece o discurso persecutório dos governantes.

Fidel Castro, seu irmão e sequazes cometem o erro essencial de todos os ditadores: acham-se insubstituíveis, e não admitem a transição democrática do poder. Consideram-se melhores e mais preparados do que todos os outros cidadãos e só eles sabem o que é bom para a sociedade.

O governo cubano não reconhece a existência de presos de consciência e afirma que o que há são mercenários a serviço dos Estados Unidos.

O que se pergunta é quantas mortes mais serão necessárias para que se estabeleçam o diálogo e o respeito aos que pensam diferente do governo em Cuba.

É uma violência aos direitos humanos um grupo manter-se no poder por tanto tempo. Não existe justificativa, do ponto de vista ético, político e social, para essa eternização, que só é possível mediante a eliminação da liberdade e, às vezes, da própria vida de quem é contrário ao sistema. O que se espera do governo brasileiro é uma posição firme e clara contra a falta de democracia naquele país e contra a perseguição movida aos que se manifestam por mudanças.

Leia mais em http://ofazedordeauroras.blogspot.com

Anúncios

Tags:, ,

Categorias: América Latina, Política Internacional

Pandora nas redes sociais

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: