Anúncios

Quando vai cair o pano?

por Érica Perazza

O golpe de 64 representou muito bem com todos os seus talentos cênicos e representa até os dias de hoje. Os resíduos da ditadura atuam como se ela não tivesse contribuído para o aborto de uma nação independente em termos políticos, econômicos e culturais com uma distribuição de renda menos desigual. Ela destruiu projetos e construções ainda no esqueleto de tijolos.

O Brasil de hoje poderia ter um final alternativo se não tivesse um roteiro tão sanguinário e ganancioso, com vilões autoritários em toda as áreas, inclusive a própria comunicação, que dificultam a construção de uma identidade para o povo brasileiro e deixa ser um personagem sem rosto e traços definidos. A luta pela independência tecnológica do país, pela solução efetiva dos problemas sociais e fonte de fermentação de debate e de agitação cultural e artística são coadjuvantes e enganam o público, como se o verdadeiro serial-killer fossem as pessoas cultas.

A ditadura militar esmagou, rasgou, trucidou, torturou, sufocou, afogou, queimou os mocinhos e no final não foi punida como acontece em finais felizes, em histórias água com açúcar. A história do Brasil é do tipo construída com ferro e sangue. O país foi prisioneiro do capital financeiro internacional, voltou a ser explorado como uma colônia e seu povo foi psicologicamente dizimado.

Grande parte da sociedade do Brasil se tornou mais hipócrita, conservadora, racista, ignorante. Ninguém melhor que Mário de Andrade para perceber quem realmente o brasileiro é: um macunaíma.

O regime fez o país crescer quantitativamente na economia, mas oprimiu e reprimiu artistas, jornalistas, estudantes. E hoje, nossa sociedade glamouriza a cultura pop apodrecida e absorve o significante conteúdo de novelas sedutoras, programas fúteis e sensacionalistas, Big Brother, etc. Quando terminar este ato horroroso e vai cair o pano?

Será que essas raízes cresceram tão fortes e tão fundas através das sementes venenosas da ditadura? Ou restam ainda episódios, cenas e falas para o país ter chance de construir seu caráter, se tornar um personagem com características marcantes e heróicas e se livrar de inimigos como a preguiça? Espero que essa saga não esteja inacabada e gasta, e que o final reservado seja surpreendente e não clichê.

Anúncios

Tags:

Categorias: Caixa de Pandora, Crônicas do Olimpo, Educação e História, Território Nacional

Pandora nas redes sociais

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

um comentário em “Quando vai cair o pano?”

  1. Maria Amélia
    1 de abril de 2010 às 18:43 #

    Olá!!bom…acho que na ditadura aconteceu que foi uma luta mais pelo povo do que do povo propriamente dito e a respeito da “cultura pop e apodrecida” que se refere é uma coisa de longa data, essa cegueira cultural que muitos de nós vivemos, o mito da caverna de Platão fala disso, no livro de Antônio Quintet ( O Olhar a Mais ) é justamente isso, o ser humano tem um prazer muito mais pelo conhecer,em descortinar as coisas ao seu redor do que no próprio saber, e acho que é aí neste ponto que pecamos, é esse olhar para o mundo, o descortinar do mundo, as vezes vemos mas não enxergamos, Descartes disse” as vezes ver atrapalha” e é verdade, esse mesmo olhar para esses programas fúteis que vc cita é o mesmo olhar que vota, que dá rumo a uma sociedade, então realmente isso é mto sério! e infelizmente o que vemos são mtas pessoas vivendo da ignorância do senso comum, simplesmente passando pelo cotidiano ignorante das coisas.Bom…não sei se fui clara com o que eu gostaria de dizer. Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: